Translate

Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain tradução

segunda-feira, 10 de abril de 2017

A Paixão de Cristo nos serve de exemplo - Por Santo Tomás de Aquino



A Paixão de Cristo é suficiente para nos formar quanto a todas as virtudes. Quem quer que busque viver perfeitamente, basta para tanto que despreze o que Cristo desprezou na cruz e deseje o que lá Ele desejou. Não há virtude da qual Cristo, do alto da cruz, não nos dê um exemplo.

Se buscamos um exemplo de caridade: Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida por seus amigos (Jo 15,13), o que Cristo fez na cruz. E já que foi por nós que Ele entregou sua vida, não deveria pesar-nos suportar por Ele quaisquer males que porventura nos ocorram. Mas que poderei retribuir ao Senhor por tudo o que Ele me tem dado? (Sl 115,3 [12].

Se buscamos um exemplo de paciência, na cruz encontramos o melhor de todos. A paciência verdadeira se mostra de duas maneiras. Ou quando alguém sofre grandes males pacientemente, ou quando sofre males que poderia evitar, mas não evita. Ora, Cristo na cruz sofrera grandes males. Ó vós todos, que passos pelo caminho: olhai e julgai se existe dor igual à dor que me atormenta (Lm 1, 12). E os sofreu pacientemente, pois Ele, ultrajado, não retribuía com idêntico ultraje (1Pe 2, 23), mas como um cordeiro que se conduz ao matadouro, Ele estava como uma ovelha muda nas mãos do tosquiador (Is 53, 7).

Estava também em seu poder evitar o sofrimento, e Ele não o fez. Crês tu que não posso invocar meu Pai e Ele não me enviaria imediatamente mais de doze legiões de anjos (Mt 26, 53). A paciência de Cristo na cruz, portanto, foi a maior paciência jamais demonstrada. Corramos com paciência ao combate proposto, com o olhar fixo no autor e consumador de nossa fé, Jesus. Em vez de gozo que se lhe oferecera, Ele suportou a cruz, e está sentado à direita do trono de Deus (Hb 12, 1-2).

 Se procuramos um exemplo de humildade, miremos o crucificado. Pois é Deus quem escolheu ser julgado e morto pela vontade de Pôncio Pilatos. Tua causa foi julgada como a dos perversos (Jó 36, 17). De fato, como a dos perversos, pois: Condenemono-lo a uma morte infame (Sb 2, 20). O Senhor quis morrer pelos escravos, e Aquele que dá vida aos anjos quis morrer pelo homem.

Se procuramos um exemplo de obediência, sigamos aquele que se fez obediente até a morte (Fp 2, 8), pois assim como pela desobediência de um só homem foram todos constituídos pecadores, assim pela obediência de um só todos se tornarão justos (Rm 5, 19).

Se procuramos um exemplo de desprezo das coisas deste mundo, sigamos Aquele que é o Rei dos reis, o Senhor dos senhores, no qual estão todos os tesouros da sabedoria. Contemplemos na cruz aquele que está suspenso desnudo, zombado, cuspido, surrado, coroado com espinhos, saciado pelo fel e o vinagre, morto. Repartem entre si as minhas vestes, e lançam sorte sobre a minha túnica (Sl 21, 19).

Erro é ansiar por honrarias, pois que Ele foi exposto à desgraça e à humilhação. Erro é buscar títulos e condecorações, pois trançaram uma coroa de espinhos, meteram-lha na cabeça e puseram-lhe na mão  uma vara. Dobrando os joelhos diante d'Ele, diziam com escárnio: Salve, rei dos judeus! (Mt 27, 29).

Erro é apegar-se a prazeres e confortos, pois puseram fel no meu alimento, na minha sede deram-me vinagre para beber (Sl 68, 22).

Meditações para a Quaresma - Santo Tomás de Aquino

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...