sexta-feira, 3 de julho de 2020

Deus amou tanto o mundo... (São Pedro Julião Eymard)


Jesus Cristo é o amor de Deus humanizado, oferecido ao homem de todas as maneiras, sob todas as formas e em todos os estados, para lhe provar o amor de seu Criador.
Como duvidar que Deus nos ama quando o Verbo nos veio dizer por sua palavra, por seu olhar, por seu Coração, por tudo quanto a criatura humana é capaz de sentir e de compreender? 
Eis o que Ele nos veio afirmar: "SIC DEUS DILEXIT: DEUS AMOU TANTO O MUNDO!"
E Ele, o Verbo, nos ama, ama-nos como Deus, isto é, infinitamente! E cada um de nós deve dizer como São Paulo: - Dilexit me! ELE ME AMOU, A MIM, A MIM SOMENTE, E PARA ME PROVAR O SEU AMOR ENTREGOU-SE POR MIM, POR MIM SÓ, À MORTE DA CRUZ! 
Com quanta maior razão fez Ele tudo o mais, as coisas visíveis e invisíveis, para mim, unicamente para mim! 
E o homem não ama a Deus! O ofende! Deus, porém, o cumula de bens apesar dos seus pecados, dos pecados de todos os dias, a fim de chamá-lo novamente a Si, fazê-lo render-se ao amor!

São Pedro Julião Eymard - Flores da Eucaristia

sábado, 20 de junho de 2020

“Porque eu te amo, Maria” - Santa Teresinha do Menino Jesus



Quisera cantar, Maria, porque te amo,
Porque, ao teu nome, exulta meu coração
E porque, ao pensar em tua glória suprema,
Minh’alma não sente temor algum.
Se eu viesse a contemplar o teu fulgor sublime
Que supera de muito o dos anjos e santos,
Não poderia crer que sou tua filha
E, então, diante de ti, baixaria meus olhos.
Para que um filho possa amar sua mãe,
Que ela chore com ele e partilhe suas dores…
Pois tu, querida Mãe, nestas plagas de exílio,
Quanto pranto verteste a fim de conquistar-me!…
Ao meditar tua vida escrita no Evangelho,
Ouso te contemplar e me acercar de ti;
Nada me custa crer que sou um de teus filhos,
Pois te vejo mortal e, como eu, sofredora.
Quando o anjo te anunciou que serias a Mãe
Do Deus que reinará por toda a eternidade,
Eu te vi preferir, Maria – que mistério! –,
O inefável, luzente ouro da Virgindade.
Compreendo que tua alma, Imaculada Virgem,
Seja mais cara a Deus que o próprio céu divino;
Compreendo que tua alma, Humilde e doce Vale,
Possa conter Jesus, o grande Mar do Amor!…
Como te amo, Maria, ao declarar-te serva
Do Deus que conquistaste por tua humildade,
Tornou-te onipotente essa virtude oculta.
Ela ao teu coração trouxe a Trindade santa
e o Espírito de Amor, cobrindo-te em sua sombra,
O Filho, igual ao Pai, encarnou-se em teu seio…
Inúmeros serão seus irmãos pecadores,
Uma vez que Jesus é o teu primeiro filho!…
Ó Mãe muito querida, embora pequenina,
Trago em mim, como tu, o Todo-Poderoso
e nunca tremo ao ver em mim tanta fraqueza.
O tesouro da Mãe é possessão do Filho,
e sou tua filha, ó Mãe estremecida.
Tua virtude e amor não são, de fato, meus?
E quando ao coração me vem a Hóstia santa,
Teu Cordeiro, Jesus, crê que repousa em Ti!…
Tu me fazes sentir que não é impossível
Os teus passos seguir, Rainha dos eleitos,
Pois o trilho do céu nos tornaste visível,
Vivendo cada dia as mais simples virtudes.
Quero ficar pequena ao teu lado, Maria,
Por ver como são vãs as grandezas do mundo.
Ao ver-te visitar a casa de Isabel,
Aprendo a praticar a caridade ardente.
Aí escuto absorta, ó Rainha dos anjos,
O canto celestial que jorrou de teu peito;
Ensinas-me a cantar os divinos louvores
E a só me gloriar em Jesus Salvador.
Tuas frases de amor caíram como rosas
Que iriam perfumar os séculos futuros.
O Todo-Poderoso em ti fez maravilhas,
Cujas bênçãos, na prece, quero usufruir.
Quando o bom São José ignorava o milagre
Que intentavas velar com tua humildade,
Tu o deixaste chorar aos pés do Tabernáculo
Que esconde o Salvador e sua eterna Beleza!…
Maria, amo esse teu eloqüente silêncio,
Que soa para mim como um doce concerto,
Melodia cantando a grandeza e o poder
De um coração que espera ajuda só dos céus…
E, mais tarde, em Belém, ó José e Maria,
Rejeitados os vi por todas as pessoas.
Não os recebeu ninguém em sua hospedaria,
Que só os grandes acolhe e não pobres migrantes…
Para os grandes o hotel, portanto é num estábulo
Que a Rainha do céu dá à luz o Filho-Deus.
Minha querida Mãe que acho tão amável,
Como te vejo grande em lugar tão pequeno!…
Quando vejo o Eterno envolvido em paninhos
E ouço o fraco vagir desse Verbo divino,
Ó Mãe querida, não invejo mais os anjos,
Porquanto o Onipotente é meu amado Irmão!…
Como te amo, Maria, a ti que, em nossas terras,
Fazes desabrochar essa divina Flor!…
Como te amo escutando os pastores e os magos
Guardando, com amor, tudo no coração!…
Amo ao ver-te também, entre as outras mulheres,
Os passos dirigindo ao Templo do Senhor.
Amo-te apresentando o nosso Salvador
Àquele santo ancião que O tomou em seus braços.
Em princípio, sorrindo, escuto o canto dele,
Logo, porém, seu tom me faz cair em pranto,
Pois, sondando o porvir com olhar de profeta,
Simeão te apresentou uma espada de dores.
Rainha do martírio, até a noite da vida
Essa espada de dor traspassará teu peito.
Cedo tens de deixar o teu país natal,
Fugindo do furor de um rei cheio de inveja.
Jesus cochila em paz nas dobras de teu véu;
José te vem pedir para partir depressa
E logo se revela tua obediência,
Partindo sem atraso ou considerações.
Lá na terra do Egito, ó Maria, parece
Que manténs, na pobreza, o coração feliz.
Uma vez que Jesus é a mais bela das pátrias,
Com Ele tendo o céu, pouco te importa o exílio…
Mas, em Jerusalém, uma amarga tristeza,
Como um imenso mar, vem inundar teu peito:
Por três dias Jesus se esconde de teu amor;
Agora é exílio, sim, em todo o seu rigor.
Tu O descobres enfim, e alegria te inunda
Vendo teu belo filho encantando os doutores
E lhe dizes: “Por que, meu filho, agiste assim?
Eis que eu mais o teu pai chorando te buscávamos!”
Então o Filho de Deus responde (oh! que mistério!)
À sua terna Mãe que os braços lhe estendia:
“Por que me procurais?… Não sabeis, talvez,
Que das obras do Pai devo me ocupar?”
O Evangelho nos diz que, crescendo em saber,
A Maria e José, Jesus obedecia.
E o coração me diz com que infinda ternura
O Menino a seus pais assim se submetia.
Só agora compreendo o mistério do templo:
Palavras de meu Rei envoltas em mistério.
Teu doce Filho, Mãe, quer que sejas exemplo
De quem O busca em meio à escuridão da fé.
Já que o supremo Rei do Céu quis que sua mãe
Se afundasse na noite e em angústias interiores,
Então, Maria, é um bem sofrer assim na terra?
Sim, sofrer com amor é o mais puro prazer.
Tudo quanto me deu Jesus pode tomar;
Dize-lhe que comigo nunca se preocupe…
Que se esconda, se quer; consinto em esperar
Até o dia sem poente em que se apaga a fé.
Sei que, em Nazaré, ó Mãe, cheia de graça,
Longe das ambições, viveste pobremente,
Sem arrebatamento ou êxtase e milagre
Que te adornasse a vida, ó Rainha do Céu.
Na terra é muito grande o bando dos pequenos
Que, sem temor, a ti elevam seu olhar.
É o caminho comum que te apraz caminhar,
Incomparável Mãe, para guiá-los ao céu!
Enquanto espero o céu, ó minha Mãe querida,
Contigo hei de viver, seguir-te cada dia.
Contemplando-te, Mãe, sinto-me extasiada
Ao descobrir em ti abismos só de amor.
Teu olhar maternal expulsa meus temores,
Ensina-me a chorar e também a sorrir.
Em vez de desprezar gozos puros e santos,
Tu os queres partilhar, digna-te a abençoá-los.
Em Caná, ao notar a angústia do casal
Que não sabe ocultar a falta de vinho,
Preocupada contas tudo a teu Jesus,
Esperando de Seu poder a solução.
Parece que Jesus recusa teu pedido
Dizendo: “Isto que importa a mim e a ti, Mulher?”
Mas, lá em seu coração, Ele te chama Mãe
E por ti Ele opera o primeiro milagre…
Pecadores, um dia, ouviam a palavra
Daquele que no céu deseja recebê-los.
Junto deles te vejo, ó Mãe, sobre a colina,
E alguém diz a Jesus que tu pretendes vê-Lo.
Então o Filho de Deus, diante da turba inteira,
Mostrou a imensidão de Seu amor por nós
Dizendo: “O meu irmão e minha Mãe quem é?
Não é outro senão quem faz minha vontade”.
Virgem Imaculada, a mais terna das mães,
Ao escutar Jesus tu não ficaste triste
Mas te alegraste, pois Ele nos fez saber
Que nossa alma, aqui embaixo, é Sua família.
Tu te alegras por ver que Ele nos dá Sua vida,
E os tesouros sem fim de Sua divindade!…
Como, pois, não te amar, ó Mãe terna e querida,
Ao ver tamanho amor e tão grande humildade?
Tu nos amas, ó Mãe, como Jesus nos ama
E consentes, por nós, em afastar-se dele.
Amar é tudo dar; depois, dar-se a si mesmo.
Isto provaste ao te tornares nosso apoio.
Conhecia Jesus tua imensa ternura
E os segredos de teu coração maternal.
Ele nos deixa a ti, do pecador Refúgio,
Quando abandona a cruz para esperar-nos no céu.
Tu me apareces, Mãe, no cimo do Calvário,
De pé, junto da cruz, qual padre ao pé do altar,
E ofertas, para aplacar a justiça do Pai,
Teu querido Jesus, esse doce Emanuel…
Um profeta já disse, ó Mãe tão desolada:
“Não há dor neste mundo igual à tua dor”!
Ficando aqui no exílio, ó Rainha dos mártires,
Todo o sangue que tens no coração nos dás.
O teu único asilo é a casa de São João;
Filho de Zebedeu deve substituir Jesus!…
É o detalhe final que vem nos evangelhos
E não se fala mais da Rainha dos céus.
Mas, Mãe querida, teu silêncio tão profundo
Não revela tão bem a nós que o Verbo eterno
Quer cantar Ele próprio o louvor de tua vida
Para poder encantar teus filhos lá no céu?
Logo, logo ouvirei essa doce harmonia;
Cedo irei para o céu a fim de lá te ver.
Tu que, no amanhecer da vida, me sorriste,
Vem me sorrir de novo, ó Mãe! Já se faz noite!…
Não tenho mais temor do brilho de tua glória;
Contigo já sofri, o que desejo agora
É cantar, em teu colo, ó Mãe, porque é que te amo
E mil vezes dizer-te que sou tua filha! 

(Santa Teresinha do Menino Jesus: “Porque eu te amo, Maria”)

terça-feira, 14 de abril de 2020

O perfeito amor - Santa Teresa D'Ávila

1. Muito me desviei; mas importa tanto o que fica dito, que não me culpará quem o entender. Voltemos agora ao amor que é bom e lícito que nos tenhamos: aquele que digo ser puramente espiritual. Não sei se sei o que digo, pelo menos, parece-me não ser preciso falar muito dele, porque poucos o têm. A quem o Senhor o tiver dado, louve-O muito, porque deve ser de grandíssima perfeição. Quero, pois, dizer alguma coisa dele. Porventura será de algum proveito, porque, pondo diante dos nossos olhos a virtude, afeiçoa-se a ela quem a deseja e pretende ganhar. 
2. Praza a Deus eu o saiba entender, quanto mais dizer, pois creio que nem sei qual é espiritual, nem quando se lhe mistura o sensível, nem sei como me ponho a falar disto. É como quem ouve falar ao longe e não entende o que dizem; assim sou eu; algumas vezes não devo entender o que digo e o Senhor permite que seja bem dito. Se de outras vezes for disparate, é o mais natural em mim não acertarem nada. 
3. Parece-me agora a mim que, quando Deus chega uma pessoa ao claro conhecimento do que é o mundo, e que coisa é o mundo, e que há outro mundo e a diferença que vai de um ao outro, e que um é eterno e o outro sonhado; ou que coisa é amar ao Criador ou à criatura (isto conhecido por experiência, que são coisas bem diferentes o pensar e crer), e ver e experimentar o que se ganha com um e se perde com o outro; e o que ébser Criador e o que é ser criatura, e outras muitas coisas que o Senhor ensina a quem se quer prestar a ser ensinado por Ele na oração, ou a quem ama Sua Majestade, essa pessoa ama muito diferentemente dos que não chegamos ainda aqui. 
4. Poderá ser, irmãs, que vos pareça que tratar disto é descabido, e digais que estas coisas que digo já todas as sabeis. Praza a Deus que assim seja e que saibais isto do modo que faz ao caso: impresso nas entranhas; pois, se o sabeis, vereis que não minto ao dizer que, a quem Deus traz a este ponto, tem este amor. Estas pessoas, que Deus faz chegar a este estado, são almas generosas, almas reais; não se contentam com amar coisa tão ruim como estes corpos, por formosos que sejam, por muitas graças que tenham, bem que lhes agrade à vista e louvem o Criador. Mas, para aí se deter, não. Digo "deter-se", de maneira a que, por estes motivos, lhe tenham amor. Parecer-lhes-ia que amam coisa sem substância e que se empregam em querer bem a uma sombra; teriam vergonha de si mesmos e não teriam cara, sem grande confusão sua, para dizer a Deus que O amam. 
5. Dir-me-eis: "esses tais não saberão amar nem retribuir a amizade que lhes tiverem". Pelo menos, pouco se lhes dá que lha tenham. E ainda que num repente a natureza os leve, algumas vezes, a se alegrarem por serem amados, em voltando a si, vêem que é disparate, a menos que se trate de pessoas que lhes hão-de aproveitar à alma com sua doutrina e oração. Todas as outras vontades as cansam, pois entendem que nenhum proveito trazem consigo, antes lhes poderia até causar dano, não porque as deixam de agradecer e retribuir, encomendando a Deus aqueles que lhes têm essa amizade. Mas consideram-no como se esses que as estimam deixassem a paga a cargo do Senhor, pois entendem que d'Ele é que procede isto de serem amadas por outras pessoas. Parece-lhes que em si não têm por que se lhes queira, e assim, logo lhes parece que lhes querem porque Deus lhes quer, e deixam a Sua Majestade o pagar e Lhe suplicam que o faça, e com isto ficam livres, como se isto em nada as tocasse. E, olhando bem as coisas, a não ser com as pessoas que digo que nos podem fazer bem para ganhar virtudes, penso algumas vezes na grande cegueira que trazemos neste querer que nos queiram! 
6. Agora notem que, quando queremos o amor de alguma pessoa, sempre se pretende algum interesse de proveito ou satisfação nossa, e estas pessoas perfeitas já têm debaixo dos pés todos os bens e regalos que o mundo lhes pode dar; já estão de maneira que contentamentos, ainda mesmo que os queiram, a modo de dizer, não os podem ter, a não ser que seja com Deus ou em tratar de Deus. Que proveito, pois, lhes pode vir de serem amadas? 
7. Quando se lhes representa esta verdade, riem-se de si mesmas, da preocupação que algum tempo tiveram, se era ou não paga a sua amizade. Embora a vontade seja boa, logo nos é muito natural querer a paga. Vindo esta a cobrar-se, a paga é em palha; que tudo é ar e sem tomo que o vento leva. Porque, ainda quando muito nos quisessem, que é isto que nos fica? Assim, se não é para proveito da alma com as pessoas que tenho dito, porque vem a ser de tal sorte o nosso natural que, se não há algum amor, logo se cansa, tanto se lhes dá de ser queridas como não. Parecer-vos-á que estas tais não querem a ninguém nem sabem querer senão a Deus. Querem muito mais, e com verdadeiro amor, e com mais paixão e amor mais proveitoso; enfim, é amor. E estas tais almas são sempre afeiçoadas a dar muito mais do que a receber; até com o mesmo Criador lhes acontece isto. Digo que este merece o nome de amor, pois estas outras afeições baixas têm-lhe usurpado o nome. 
8. Parecer-vos-á também que, se não amam pelas coisas que vêem, a que se afeiçoam? Verdade é que amam o que vêem e afeiçoam-se ao que ouvem; mas estas coisas que vêem são estáveis. Logo estes, se amam, passam além dos corpos, põem os olhos nas almas e olham se há nelas coisas para se amar. Se as não há, mas vêem algum princípio ou disposição para que, se aprofundarem, achem ouro nesta mina, têm-lhe amor, não lhes dói o trabalho; não há coisa custosa que uma alma destas não faça de boa vontade por aquela a quem quer bem, porque deseja continuar a amá-la e sabe muito bem que, se ela não tem bens espirituais e ama muito a Deus, é impossível. E digo que é impossível, por mais que a obrigue e se mate, querendo-lhe, e lhe faça todas as boas obras que puder e possua reunidas em si todas as graças da natureza; a vontade não terá força, não poderá permanecer firme. Já sabe e tem experiência do que é tudo; não lhe farão pagar em moeda falsa. Vê que não são um para o outro e que é impossível perdurar o quererem-se mutuamente, porque é amor que se há-de acabar com a vida. Se a outra não guarda a lei de Deus e entende que não O ama, hão-de ir para lugares diferentes. 
9. E este amor, que só aqui dura, uma alma, a quem o Senhor já infundiu verdadeira sabedoria, não o estima em mais do que vale, nem em tanto. Porque, para os que gostam de gozar coisas do mundo, deleites e honras e riquezas, alguma coisa valerá, se for rica e tiver partes para dar passatempo e recreação; mas, a quem tudo isto aborrece, já pouco ou nada se lhe dará disto. Ora, pois, aqui, - se tem amor -, é a paixão para fazer com que essa alma ame a Deus, para ser por Ele amada; porque sabe, como digo, que, de outro modo, não pode perdurar em lhe querer. É amor muito à própria custa; não deixa de fazer tudo o que pode para que lhe aproveite. Perderia mil vidas por um pequeno bem seu. Oh! precioso amor, que vai imitando o Capitão do Amor, Jesus, 
nosso Bem!

Caminho de Perfeição, O Perfeito Amor, Santa Teresa D'Ávila, p.45-49. 

sábado, 14 de março de 2020

«Trazei depressa a melhor túnica e vesti-lha» - Comentário por São Romano, o Melodista

São Romano, o Melodista (?-c. 560), compositor de hinos
Hino n.º 55; SC 283


«Trazei depressa a melhor túnica e vesti-lha»

Muitos são os que, pela penitência, se tornaram dignos do amor que tens pelo homem, Tu, que justificaste o publicano pelo seu lamento e a pecadora pelo seu pranto (Lc 18,14; 7,50), E, ao preveres e dares o perdão de acordo com imutáveis desígnios, Te mostras rico de todas as misericórdias (Ef 2,4). Converte-me também a mim, Tu, que queres que todos os homens se salvem! (1Tim 2,4) 

A minha alma enodoou-se ao vestir a túnica dos meus erros (Gn 3,21), Mas Tu me alcançarás a graça de fazer jorrar fontes dos meus olhos, A fim de que, pela contrição, seja purificado e digno das tuas núpcias (Mt 22,12). Veste-me com o manto multicolor (Sl 45,15), Tu, que queres que todos os homens se salvem! 

Tem compaixão de mim, Pai celeste, tal como tiveste do filho pródigo, Porque também eu me lanço a teus pés e como ele clamo: «Pai, pequei!», E rejubilarão os anjos com a salvação dum filho indigno (Lc 15,7). Não me rejeites, Deus de bondade, Tu, que queres que todos os homens se salvem! 

Pois foi pela graça que fizeste de mim teu filho e teu herdeiro (Rom 8,17) E, ao ofender-Te, me vejo cativo, escravo vendido ao pecado e desditoso! Tem misericórdia da tua própria imagem (Gn 1,26), Salvador meu: resgata-me deste degredo, Tu, que queres que todos os homens se salvem! 

Tendo chegado ao arrependimento, […] a palavra de Paulo encoraja-me A não desfalecer na oração e a esperar (Col 4,2), sabendo que, se tardas, É para me dares a ganhar o salário da perseverança. Sabedor da tua misericórdia E da tua ânsia em me socorrer (Lc 15,4), cheio de confiança Te suplico: vem em meu auxílio, Tu, que queres que todos os homens se salvem! 

Permite-me levar uma vida pura, celebrar-Te e dar-Te glória para sempre, Cristo Todo-Poderoso, e para que depois Te cante […] um cântico puro (Sl 40,4), Concede-me que os meus atos correspondam às minhas palavras, único Senhor, Tu, que queres que todos os homens se salvem!

Fonte: Evangelho Quotidiano

sábado, 7 de março de 2020

Rezar com confiança e perseverança - São Luis Maria Grignion de Montfort

Rezai com muita confiança, a qual se funda na bondade e liberalidade infinitas de Deus, e nas promessas de Jesus Cristo. [...] 

O maior desejo do Pai eterno a nosso respeito é comunicar-nos as salutares águas da sua graça e da sua misericórdia; por isso, exclama: «Vinde beber das minhas águas pela oração». E, quando não rezamos, queixa-Se porque O abandonamos: «Abandonaram-Me, a Mim, que sou a fonte de água viva» (Jer 2,13). Agrada a Jesus Cristo que Lhe peçamos graças; quando não o fazemos, Ele queixa-Se amorosamente: «Até agora, nada pedistes. Pedi-Me e dar-vos-ei, procurai em Mim e achareis, bati à minha porta e Eu abrir-vos-ei» (cf Jo 16,24; Mt 7,7; Lc 11,9). E, para nos dar ainda mais confiança na oração, empenhou a sua palavra, garantindo-nos que o Pai eterno nos daria tudo o que Lhe pedíssemos em seu nome. 

Mas juntemos a perseverança na oração à confiança. Pois só aquele que perseverar em pedir, em procurar e em bater receberá, encontrará e entrará.

Fonte: Evangelho Quotidiano

Os amigos de Cristo perseveram até ao fim no seu amor - São Máximo




Tem atenção à tua pessoa. Vê se o mal que te separa do teu irmão não se encontrará em ti, e não nele. Apressa-te a reconciliar-te com ele (cf Mt 5,24), a fim de não ignorares o mandamento do amor. Não desprezes o mandamento do amor, pois é por ele que serás filho de Deus. Se, porém, o transgredires, serás filho da geena. [...] 

Foste posto à prova pelo teu irmão e a tristeza conduziu-te ao ódio? Não te deixes vencer pelo ódio, mas vence-o pelo amor. Vencerás da seguinte maneira: rezando sinceramente a Deus por ele, desculpando a sua ofensa e procurando mesmo justificá-lo, considerando que és tu o responsável por essa provação, suportando-a com paciência até passar a nuvem. [...] Não consintas em perder o amor espiritual, pois não foi proposta aos homens outra via de salvação. [...] Uma alma razoável que alimenta ódio contra um homem não pode estar em paz com Deus, que nos deu o seguinte mandamento: «Se não perdoardes aos homens as suas ofensas, o vosso Pai celestial também não vos perdoará as vossas» (Mt 6,14-15). Se esse homem não quer estar em paz contigo, ao menos guarda-te do ódio, rezando sinceramente por ele e não dizendo mal dele a ninguém. [...] 

Aplica-te o mais que puderes a amar todos os homens. E, se ainda não consegues fazê-lo, pelo menos não odeies ninguém. Mas nem isso poderás fazer se não desprezares as coisas do mundo. [...] Os amigos de Cristo amam verdadeiramente todos os seres, mas não são amados por todos. Os amigos de Cristo perseveram até ao fim no seu amor. Mas os amigos do mundo só perseveram até o mundo os levar a ferirem-se uns aos outros.

Fonte: Evangelho Quotidiano

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

Ato de Amor a Deus - De São João Maria Vianney




Uma tocante oração de amor a Deus, de um dos maiores e mais humildes dos Seus santos:


"Eu Vos amo, meu Deus,
e o meu único desejo é amar-Vos
até o último suspiro da minha vida.

Eu Vos amo, Deus infinitamente bom,
e mais quero morrer amando-Vos
do que viver um só instante sem Vos amar.

Eu Vos amo, meu Deus,
e só desejo o Céu para ter a felicidade
de Vos amar perfeitamente.

Eu Vos amo, meu Deus,
e só temo o inferno porque lá nunca haverá
a doce consolação de Vos amar.

Meu Deus,
se a minha língua não puder estar sempre
a dizer que Vos amo,
que o meu coração o diga tantas vezes
como quantas eu respiro.

Senhor, dai-me a graça de sofrer amando-Vos,
de Vos amar sofrendo,
e de um dia expirar amando-Vos
e sentindo que Vos amo.


E quanto mais me aproximo do meu fim,
mais Vos imploro a graça
de aumentar e aperfeiçoar o meu amor.

Amém."


São João Maria Vianney, o Cura d’Ars
Fotne: Aleteia
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...